• Sobre mim!!!

    Nasci em Recife, em 30/08/1956, resido em Olinda há mais de 30 anos. Funcionária Pública Estadual. Estou aposentada por tempo de serviço, mas não deixei de trabalhar. Participo de sites poéticos há apenas 05 anos, mas escrevo desde a adolescência. Tinha os meus rabiscos guardados a sete chaves, quando por acaso, nas minhas “perambulações virtuais”, me deparei com um site literário, onde pude me cadastrar e daí em diante comecei a divulgar as minhas poesias. Conheci muita gente linda e maravilhosa com as quais troco conhecimentos e principalmente amizade sincera e fraterna. Amo a poesia, respiro a poesia, vivo a poesia. Não consigo enxergar o mundo sem ela.

SENTINDO A SUA FALTA

 

Minha boca

Que adoçastes com os teus beijos

Hoje estão secas e sem gosto…

Meus olhos

Que um dia te viram

Hoje só enxergam escuridão…

Meu corpo

Que um dia o teu abraçou

Hoje vagueia pela noite fria…

Meus cabelos

Que um dia afagastes

Hoje estão sem brilhos e emaranhados…

Meu coração que agora está partido

Bate descompassado

Sentindo a tua falta.

Anúncios

DISPO-ME

 

Dispo-me de toda a roupa
Que me pesa
Que me marca
Que me escraviza…

Dispo-me de todo o peso
Do corpo
Da alma
Da vida…

Dispo-me de todos os pesos
Dos ombros
Dos olhos
Do olhar…

Dispo-me tudo que me maltrata
A saudade
A dor
A falta do seu olhar…

Dispo-me por inteira
Das dores
Das tristezas
Do passado…

Refaço a minha vida
Sofrer não quero mais
Vou ao encontro de mim mesma
Na estrada que me leva até você.

 

DIANTE DO MAR

 

Diante do mar…
Sinto-me livre, com vontade de voar
Fazendo-me sentir a liberdade no ar
A flutuar no imaginário da mente
Sentindo o verdadeiro sentido de amar…

Diante do mar…
Vejo o quanto a natureza é bela
E sem limites nos espera
Pelo carinho que recebo de ti
sinto o universo a conspirar…

Diante do mar…
Fecho os olhos para a dor
Falar para que? Basta-me olhar o mar
Que para tudo uma resposta terá

Diante do mar…
Nada mais somos que um grão de areia diante do infinito mar

Diante do mar…

Crio asas imaginárias e alço vôo
Surfo pelos meus sonhos
Na força dos meus pensamentos
Envolta de luzes e cores
Contemplo o teu corpo, meu porto-seguro
Envolvendo-me, serena
E nos unindo para sempre.

SAUDADE DOS TEUS BEIJOS

 

Que saudade dos teus beijos…
Saudade das tuas mãos…
Saudade do teu corpo…

Fecho os olhos e sinto-o perto de mim.
Teu cheiro, ah teu inconfundível cheiro…
Sinto tuas mãos suavemente deslizando
pela minha pele macia…

Saudades de teus beijos.
Seus lábios mornos, sensuais.
Saudades de seu peito,
onde gosto de descansar minha cabeça.

Saudade de tocar teu corpo.
Ser tocada.
Ser amada.
Saudade dos teus abraços fortes
Saudades de nossos momentos.

E saudades do depois…
quando ficamos conversando,
simplesmente nos olhando,
depois de tanto prazer.

PAZ DE ESPÍRITO

Você já olhou seu jardim hoje?
Será que está florido?
Existem pássaros e borboletas
Sugando o néctar das flores?

Olhe o teu jardim agora
Veja se as rosas estão com as pétalas abertas
Ou ainda estão em botão
Ou se já estão caídas ao chão?

Observe pela vidraça da janela
Veja se tem crianças brincando na rua
Casais de namorados passeando
Ou há apenas a escuridão da noite?

Guarde na tua lembrança apenas momentos bons
Apague tudo de ruim que chegastes a pensar hoje
Cultiva o teu coração feliz
Deixa a tua alma leve… Pense em Deus!

Afaste do teu peito o rancor
Pense em dias melhores que estão por vir
Mantenha no rosto um sorriso puro
Não olhes para trás lembrando o passado…

Siga sempre em frente e carregue consigo o otimismo
Pense um pouco antes de dizer um “não” a alguém
Abra o seu coração para o mundo
E só assim, conseguirás ter paz de espírito.

 

ABRAÇO

Abraço…

Gesto puro de ternura

 Que expressa sentimento nobre

Que se chama “amor”…

 Abraço…

Ato que nos envolve Que nos aproxima

Que nos faz sentir o calor de quem amamos…

 Abraço…

É o que eu quero te dá

É o que eu tenho a te oferecer

Na hora que te encontrar.

METÁFORA DE CHORO

  

A chuva cai

Pesada

Trás ventania

Parece agonia

Das lágrimas que derramei…

 

Chuva constante

Inunda a rua

Tal qual uma metáfora

De um choro sofrido

Por alguém que amei…

 

Chuva amarga

Que os meus sonhos destrói

Acabam todas as esperanças

Tecem-se os meus medos

O peito me dói.